© 2021 Condor, All Rights Reserved

O que é Diário do Sono?

O que é Diário do Sono, como é aplicado e quais as facilidades que traz para a medicina do sono?

É muito difícil, praticamente impossível, encontrar alguém que não tenha ao menos um ou outro episódio de insônia ou algum outro distúrbio do sono ao longo da vida. É absolutamente natural, ainda mais em tempos como este, perder o sono ou dormir mal, talvez por conta de uma ansiedade ou outro motivo qualquer. Mas se você tem dificuldades para dormir com alguma frequência, sabe muito bem o mal que isso faz para a sua saúde. É para estas pessoas que existe o Diário do Sono.

Mas o que é, exatamente, um Diário do Sono? Quem deve utilizá-lo, como e por quê? Quais são os seus benefícios? Quais são os tipos de Diário do Sono disponíveis no mercado? Nossos especialistas prepararam este conteúdo especialmente para responder a todas as essas perguntas e eliminar as suas dúvidas. Leia este artigo até o final e saiba tudo sobre Diário do Sono, essa importantíssima ferramenta que ajuda no diagnóstico e no tratamento dos distúrbios do sono.

O que são distúrbios do sono?

Nada menos do que um terço da população mundial é acometida pela apneia obstrutiva do sono, ou, simplesmente, apneia do sono, segundo dados do Instituto do Sono publicados na Sleep Medicine. Um dado muito relevante e emblemático sobre esta estatística é que entre 85% e 90% dos que fazem parte desta lista sequer sabem disso, também de acordo com a entidade médica.

No Brasil, especificamente, essa porcentagem é assustadoramente maior. Uma pesquisa promovida pelo Instituto do Sono de São Paulo, com análises comparativas realizadas entre 2007 e 2017, indica que a quantidade de brasileiros que são acometidos pela apneia saltou dos 38% para 69% da população. Por sua vez, a Associação Brasileira de Medicina do Sono garante que um em cada três brasileiros sofre de insônia.

A insônia e a apneia obstrutiva do sono são dois dos mais comuns distúrbios do sono, ao lado do sonambulismo, o terror noturno, a narcolepsia, o bruxismo e a síndrome das pernas inquietas. Os distúrbios do sono são doenças que afetam o nosso sono de forma regular, que podem nos trazer sintomas como cansaço, irritação, dificuldade de concentração e sonolência ao longo do dia e podem até caminhar para uma depressão, um acidente vascular cerebral (AVC) ou uma doença cardiovascular.

O assunto é sério, e quando a qualidade do sono começa a se perder e prejudicar a saúde do paciente, é preciso procurar um especialista, como, por exemplo, um médico do sono. A medicina do sono é uma especialidade relativamente nova da medicina, que surgiu na década de 70 e chegou ao Brasil quase 20 anos depois, sendo reconhecida em agosto de 2011. Para se certificar como médico do sono, o profissional precisa ser um neurologista, um otorrinolaringologista, um pneumologista ou um psiquiatra.

É para pessoas acometidas por algum distúrbio do sono que foi criado e existe o Diário do Sono.

O que é um Diário do Sono?

Cada distúrbio do sono tem suas próprias características e sintomas e obviamente que acomete as pessoas de uma forma individual. A insônia, por exemplo, pode provocar na pessoa muita dificuldade para dormir, pode interromper o seu sono no meio da noite ou pode provocar o despertar muito antes da hora desejada. O especialista consultado ouvirá o relato do paciente e, muitas vezes, isso bastará para apontar o diagnóstico.

O Diário do Sono é uma investigação subjetiva da qualidade e do padrão do sono do paciente, e é considerado “padrão ouro” no tratamento dos mais diversos distúrbios do sono. O paciente vai relatar e registrar todos os seus hábitos e horários de dormir, bem como foi como o seu sono. É algo muito próximo de um diário pessoal, muito comum na adolescência, quando relatamos como foi o nosso dia a dia.

Assim, o Diário do Sono é uma espécie de formulário para registro de toda a nossa atividade relacionada ao sono, que será preenchido dia a dia, continuamente, para que o médico assistente tenha mais dados para ajudar no tratamento do distúrbio do sono diagnosticado. Na maior parte das vezes, o Diário do Sono é utilizado por pessoas acometidas pela insônia, mas ele também é muito eficiente no tratamento dos mais variados distúrbios do sono.

O objetivo maior de um Diário do Sono é, de fato, ajudar no diagnóstico e tratamento de um distúrbio do sono. No entanto, é por meio dele que será possível identificar a gravidade e muitas vezes até auxiliar a entender a causa do problema, como hábitos da rotina que afetam a qualidade do sono durante o repouso, uma síndrome ocasionada por sono insuficiente ou um distúrbio do ciclo circadiano. É importante pontuar que o Diário do Sono evidencia a resposta fisiológica do sono em relação às intervenções terapêuticas propostas, tornando-se uma excelente e acessível ferramenta nas abordagens de intervenção não farmacológicas dos distúrbios do sono.

Como e onde fazer o meu Diário do Sono?

Como é um diário pessoal e intransferível, o Diário do Sono deve ser feito exclusivamente pela própria pessoa acometida pelo distúrbio do sono. É ela quem sabe exatamente como foi sua noite de sono e poderá relatar, em detalhes, tudo o que aconteceu. Não há respostas exatas, portanto não há erro ou acerto. O importante é que o paciente preencha todas as questões propostas pelo Diário do Sono, da forma mais detalhada e honesta possível. Ou seja, a qualidade do Diário do Sono é responsabilidade exclusiva do paciente.

Se assim desejar, o paciente poderá registrar todo o movimento diário relacionado ao sono em um papel, preenchido manualmente. Ou seja, o Diário do Sono pode ser produzido pelo próprio paciente em um caderninho, por exemplo. Não há nenhum problema com isso, desde que o médico tenha acesso ao Diário do Sono e possa entender o que está escrito ali. Neste caso, a organização é fundamental.

Há, no entanto, diversas formas do paciente preencher o seu Diário do Sono. Uma delas é no formato linear, ou seja, o diarista vai escrever sobre tudo o que aconteceu com relação ao sono da noite anterior, de uma forma mais ou menos livre. É como se fosse redigir uma crônica, cujo tema é: “como foi minha noite ontem”. Obviamente que ficarão registrados os blocos de tempo em que o sono aconteceu, durante aquele dia.

O Diário do Sono também pode ser preenchido em formato tabela. São sete colunas, uma para cada dia da semana, e um número de linhas de acordo com os itens que se quer investigar. O médico assistente ajudará a formular os itens destas linhas, como, por exemplo:

• Qual horário você se deitou?

• A que horas decidiu iniciar o sono?

• Quanto tempo levou para dormir?

• Quantas vezes despertou ao longo da noite?

• Por quanto tempo ficou acordado nestes períodos ao longo da noite?

• Que horas você acordou?

• Que horas levantou da cama?

• Como foi a qualidade de seu sono?

• Como foram as três horas que antecederam a ida para a cama?

• Qual foi o horário que se alimentou pela última vez e o que comeu?

• Comentários gerais.

O médico assistente irá lhe orientar a partir da própria conversa que terá com você sobre seus hábitos, sintomas e problemas relacionados ao sono. Eventualmente, ele poderá orientá-lo a escrever sobre hábitos como episódios de cochilo ao longo do dia, consumo de álcool ou drogas, ingestão de cafeína, medicação e nível de estresse, entre outros.

Itens relacionados às atividades diurnas no Diário do Sono

O seu médico assistente poderá solicitar, ainda, que você anote em seu Diário do Sono itens relacionados às atividades do seu dia. Os principais são:

• Relacionar o grau de cansaço

• Episódios de sonolência

• Dificuldade de concentração

• Irritabilidade

• Atividade física (quanto e o que)

• Atividades sexuais

• Atividades realizadas no quarto

• Episódios de estresse

• Episódios de mal estar

• Presença de dor (onde, quando e intensidade)

Diário do Sono em aplicativo

O Diário do Sono não precisa ser feito apenas em um bloco de papel ou numa planilha no seu notebook. Existe, no mercado, aplicativos que oferecem o Diário do Sono para ser preenchido, com toda comodidade, em seu próprio smartphone. Há várias vantagens, como ter os dados computados automaticamente, o registro do horário de preenchimento e a facilidade para escrever e acessar seu diário.

A Condor Instruments, por exemplo, oferece este produtoo download grátis de um Diário do Sono em aplicativo, tanto para smartphones da Apple quanto os que utilizam o sistema operacional Android. O aplicativo de Diário do Sono da Condor Instruments é utilizado como acessório do sistema da Condor Instruments voltado para profissionais que queiram aplicar TCC-I e outras terapias que necessitem o acompanhamento do sono de seus clientes. Entre as principais funcionalidades, estão: aplicativo com interface simples, controle de acesso realizado pelo profissional e dados enviados automaticamente para o servidor da Condor.

Quanto tempo será preciso para realizar o seu Diário do Sono?

Essa é uma decisão que seu profissional de saúde tomará. Em geral, duas semanas são suficientes para que ele tenha dados suficientes para apoiar o diagnóstico e orientar no tratamento a ser proposto. Mas, como já dissemos, a qualidade das informações anotadas é fundamental. Preencher um Diário do Sono é um compromisso sério e merece toda a atenção, porque de fato é uma ferramenta que o ajudará a resolver o seu problema.

O diarista não pode esquecer, por exemplo, de anotar todos os dados de uma das noites. O preenchimento é contínuo, enquanto isso for estabelecido pelo médico assistente. Mas é preciso deixar claro que o paciente deve se comprometer, mas isso não significa que ele precisa colocar um relógio do lado da sua cabeceira, além de um bloco e caneta, e anotar tudo instantaneamente, em tempo real. Isso, sim, atrapalharia ainda mais um sono já prejudicado. O preenchimento é feito no dia seguinte, e não é preciso colocar um horário tão preciso assim.

Nunca é demais lembrar que todas as questões relacionadas ao Diário do Sono serão definidas pelo seu médico assistente. Não há um modelo certo e definitivo, e dependendo do seu problema ele poderá solicitar mais ou menos dias e uma versão mais ou menos completa. É claro que um Diário do Sono mais completo oferecerá mais subsídios, mas também será preciso mais dedicação. Existem versões de Diários de sono e que podem ser utilizados na prática clínica que são validados em diversas populações por meio de pesquisas científicas.

A importância do preenchimento do Diário do Sono

Efetivamente, o Diário do Sono oferecerá ao seu médico assistente informações muito valiosas para o diagnóstico e tratamento do distúrbio do sono que acomete o paciente. Essa é sua finalidade e, por si só, justifica o uso. Mas há inúmeros relatos de pacientes que melhoraram muito pelo simples preenchimento do diário, porque desta forma puderam tomar consciência sobre o que está acontecendo e passaram a perceber o problema de forma mais objetiva.

Por meio do preenchimento do Diário do Sono, o paciente poderá tomar consciência e, assim, se reeducar, evitando, por exemplo, a ingestão de cafeína de noite. Ou comer alimentos pesados antes de dormir. Por conta disso, muitos médicos prolongam o preenchimento do diário por mais do que as duas semanas que, inicialmente, seriam suficientes para apoiar o diagnóstico e tratamento.

O mais importante é que o paciente passa a entender como funciona o seu sono. Não se trata mais de olhar para aquela noite que, por exemplo, levantou três vezes de madrugada, mas sim enxergar seus hábitos relacionados ao sono. Esta, talvez, seja a grande vantagem do uso de um Diário do Sono.

É importante salientar que o Diário do Sono poderá complementar um exame chamado actigrafia, que poderá ser solicitado pelo médico assistente para analisar todos os dados relativos ao sono.

Conclusão

O uso e o preenchimento do Diário do Sono é absolutamente fácil e simples, e está à disposição de qualquer pessoa. Se assim o desejar, bastará foco, boa vontade, atenção e algumas folhas de papel e uma caneta, mas há, no mercado, aplicativos gratuitos que permitem o preenchimento do diário no próprio celular, com toda a comodidade.

O tratamento de distúrbios do sono, com certeza, não é uma tarefa tão simples, e o preenchimento de um Diário do Sono pode ser fundamental e decisivo, apoiando – e  muito – o médico assistente a encontrar o diagnóstico e propor o tratamento. Muitas vezes, o simples preenchimento já ajuda o paciente.

Não existe um Diário do Sono melhor do que o outro. Existe o Diário do Sono ideal: é aquele feito em comum acordo com o médico assistente e preenchido com foco, responsabilidade e comprometimento.

https://www.condorinst.com.br/

pt_BR

Deixe seu dados que entraremos em contato